O conceito de beldade na arte


O conceito de beldade na arte 1

A lindeza é a ideia de que tudo está em perfeita unidade. Isto acrescenta a cor, a maneira e o arranjo de peças em ligação um ao outro. A boniteza assim como é universal e simétrica. Um organismo é bonito se estiver em um estado saudável. A arte tem a obrigação de demonstrar essa simetria e unidade para a população. O mesmo vale para objetos.

A responsabilidade da arte de distrair as pessoas na boniteza das realidades brutais do capitalismo

Os movimentos anticapitalistas e marxistas tentaram contestar o conceito de beldade. A política estética nazista, não obstante, selou a liga entre boniteza e política de direita. “O dever da arte é nos distrair na lindeza e denunciar o universo que o cria”, disse Adorno.

Afinal, a graça é uma ferramenta utilizada pelo capitalismo para manipular as massas. Diversos marxistas, porém, contestaram que as artes deveriam reproduzir o lado horroroso do capitalismo, a final de inspirar as pessoas com um futuro comunista. No século XX, todavia, o conceito de graça se associou ao capitalismo e estava sujeito a considerações morais e destruição direta. A despeito de a enorme arte fosse frequentemente criada pra que os ricos decorem suas casas, várias vezes disfarçavam o sofrimento e a injustiça que os ricos sofreram perante o capitalismo.

Responsabilidade da arte de mostrar corpos saudáveis ​​como belos

Os artistas costumam usar o corpo pra explorar o conceito de lindeza. Sarah Sitkin criou moldes em tamanho real de pessoas reais e reformulou as imagens em roupas vestíveis. Norman Barker investigou a idéia de arte de um grau celular. Depois de estudar células doentes, Barker criou uma lindeza oculta, que fala com o paradoxo da beleza saudável e prejudicial.